Voltar

Leis, decretos e portarias


Prefeitura Municipal de Araguaína

Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias do Município de Araguaína - TO para o exercício financeiro de 2020.

Publicada em 12/12/2019

 

LEI  MUNICIPAL  Nº  3128,  DE  12  DE  DEZEMBRO  DE  2019.  

 

Dispõe  sobre  as  Diretrizes  Orçamentárias  do  

Município  de  Araguaína  -  TO  para  o  exercício  

financeiro  de  2020.  

O  Prefeito  Municipal  de  Araguaína  -  TO,  faço  saber  que  a  Câmara  Municipal  aprovou  

e  eu  sanciono,  a  seguinte  Lei:  

 

CAPÍTULO  I  

DISPOSIÇÕES  PRELIMINARES  

 

Art.  1º  -    São  estabelecidas  as  Diretrizes  Orçamentárias  do  Município  de  Araguaína  

para  o  exercício  financeiro  de  2020,  na  conformidade  do  disposto  no  art.  165,  §  2º,  da  

Constituição  Federal,  no  art.  104  da  Lei  Orgânica  do  Município,  e  na  Lei  Complementar  Federal  

nº  101,  de  04  de  maio  de  2000,  compreendendo:  

 

I  –  as  prioridades  e  as  metas  da  Administração  Pública  Municipal;  

II  –  a  organização  e  estrutura  dos  orçamentos;  

III  -  as  diretrizes  gerais  para  elaboração  da  lei  orçamentária  anual  e  suas  respectivas  

alterações;  

IV  –  as  diretrizes  para  a  execução  da  lei  orçamentária  anual;  

V  –  as  disposições  relativas  à  dívida  pública  municipal;  

VI  –  as  disposições  relativas  às  despesas  com  pessoal  e  encargos  sociais;  

VII  -  as  disposições  relativas  aos  precatórios  judiciários;  

VIII  -  as  disposições  sobre  alterações  na  legislação  tributária  do  Município;  

IX  -  os  anexos  das  metas  fiscais;  

X  –  as  disposições  finais.  

 

CAPÍTULO  II  

DAS  PRIORIDADES  E  METAS  DA  ADMINISTRAÇÃO  MUNICIPAL  

                                                   

Art.  2º  -  Os  Programas  e  as  Ações  da  Administração  Pública  Municipal  para  o  exercício  

financeiro  de  2020  são  os  constantes  na  Lei  do  Plano  Plurianual  –  PPA  2018/2021,  os  quais  

terão  precedência  na  alocação  de  recursos  no  Orçamento  de  2020,  não  se  constituindo,  

todavia,  em  limite  à  programação  das  despesas.  

CAPÍTULO  III  

DA  ORGANIZAÇÃO  E  ESTRUTURA  DOS  ORÇAMENTOS  

 

Art.  3º  -  O  Projeto  de  Lei  Orçamentária  Anual  que  o  Poder  Executivo  encaminhará  ao  

Poder  Legislativo  será  composto  de:    

 

   

I  –  Mensagem;  

II  –  texto  da  Lei;  

III    –  consolidação  dos  quadros  orçamentários;  

IV  –  anexo  dos  orçamentos  fiscal  e  da  seguridade  social,  discriminando  receita  e  

despesa  na  forma  definida  nesta  Lei;  

V  –  anexo  do  orçamento  de  investimentos  das  empresas.  

 

Art.  4º  -  Os  Orçamentos  Fiscal  e  da  Seguridade  Social  discriminarão  a  despesa  por  

Unidade  Orçamentária,  segundo  a  classificação  funcional  e  a  programática,  explicitando  para  

cada  projeto,  atividade  ou  operação  especial,  valores  da  despesa  por  grupo  e  modalidade  de  

aplicação.  

 

§  1º  -  A  classificação  de  receitas  e  despesas  atenderão  às  disposições  da  Portaria  n.º  

42,  do  Ministério  de  Orçamento  e  Gestão,  de  14  de  abril  de  1999,  da  Portaria  Interministerial  

nº  163,  de  04  de  maio  de  2001  e  suas  alterações  editadas  pelo  Governo  Federal,  os  

demonstrativos  e  anexos  à  Lei  Orçamentária  conforme  dispõe  a  Lei  Federal  nº  4.320,  de  17  de  

março  de  1964,  Resoluções  e  Instruções  Normativas  do  Tribunal  de  Contas  do  Estado  do  

Tocantins.  

 

§  2º  -  Os  programas,  classificadores  da  ação  governamental,  pelos  quais  os  objetivos  

da  administração  se  exprimem,  serão  aqueles  constantes  do  Plano  Plurianual  –  PPA  

2018/2021  e  suas  alterações.  

   

§  3º  -    Na  indicação  do  grupo  de  despesa,  a  que  se  refere  o  caput  deste  artigo,  será  

obedecida  a  seguinte  classificação,  de  acordo  com  a  Portaria  Interministerial  n.º  163/01,  da  

Secretaria  do  Tesouro  Nacional  e  da  Secretaria  de  Orçamento  Federal,  e  suas  alterações:  

 

a)  pessoal  e  encargos  sociais  (1);  

b)  juros  e  encargos  da  dívida  (2);  

c)  outras  despesas  correntes  (3);  

d)  investimentos  (4);  

e)  inversões  financeiras  (5);  

f)  amortização  da  dívida  (6).  

 

§  4º  -  A  reserva  de  contingência,  será  identificada  pelo  dígito  9,  no  que  se  refere  ao  

grupo  de  natureza  de  despesa.  

Art.  5º  -  Para  efeito  desta  Lei,  entende-se  por:  

 

I  -  programa,  o  instrumento  de  organização  da  ação  governamental  visando  à  

concretização  dos  objetivos  pretendidos,  sendo  mensurado  por  indicadores  estabelecidos  no  

Plano  Plurianual  –  PPA  2018/2021;  

II  -  Ação,  um  instrumento  de  programação  para  alcançar  o  objetivo  de  um  programa,  

denominado  por  projeto,  atividade  ou  operação  especial;    

   

III  -  atividade,  um  instrumento  de  programação  para  alcançar  o  objetivo  de  um  

programa,  envolvendo  um  conjunto  de  operações  que  se  realizam  de  modo  contínuo  e  

permanente,  das  quais  resulta  um  produto  necessário  à  manutenção  da  ação  de  governo;  

IV  -  projeto,  um  instrumento  de  programação  para  alcançar  o  objetivo  de  um  

programa,  envolvendo  um  conjunto  de  operações,  limitadas  no  tempo,  das  quais  resulta  um  

produto  que  concorre  para  a  expansão  ou  aperfeiçoamento  da  ação  de  governo;  

V  -  operação  especial,  as  despesas  que  não  contribuem  para  a  manutenção  das  ações  

de  governo,  das  quais  não  resulta  um  produto,  e  não  geram  contraprestação  direta  sob  a  

forma  de  bens  ou  serviços;  

VI-  Unidade  orçamentária,  o  menor  nível  da  classificação  institucional  agrupada  em  

órgão  orçamentários,  entendidos  estes  como  os  de  maior  nível  da  classificação  institucional;  

VII  -  Função,  o  maior  nível  de  agregação  das  diversas  áreas  de  despesa  que  competem  

ao  setor  público;  

VIII  -  Subfunção,  uma  partição  da  função,  visando  agregar  determinado  subconjunto  

de  despesa  do  setor  público;  

IX  -  Execução  Física,  a  autorização  para  que  o  contratado  realize  a  obra,  forneça  o  

bem  ou  preste  o  serviço;  

X  -  Execução  Orçamentária,  o  empenho  e  a  liquidação  da  despesa,  inclusive  sua  

inscrição  em  restos  a  pagar;  

XI  -  Execução  Financeira,  o  pagamento  da  despesa,  inclusive  dos  restos  a  pagar  já  

inscritos;  

XII  -  Receitas  Ordinárias,  aquelas  previstas  para  ingressar  no  caixa  da  unidade  gestora  

de  forma  regular,  seja  pela  competência  de  tributar  e  arrecadar,  seja  por  determinação  

constitucional  no  partilhamento  dos  tributos  de  competência  de  outras  esferas  de  governo.  

 

§  1º  -  Cada  programa  identificará  as  ações  necessárias  para  atingir  os  seus  objetivos,  

sob  a  forma  de  atividades,  projetos  e  operações  especiais,  especificando  os  respectivos  

valores,  bem  como  as  unidades  orçamentárias  responsáveis  pela  realização  da  ação.  

 

§  2º  -  Cada  atividade,  projeto  ou  operação  especial  identificará  a  função,  a  subfunção,  

o  programa  de  governo,  a  unidade  e  o  órgão  orçamentário,  às  quais  se  vinculam,  na  forma  do  

anexo  que  integra  a  Portaria  nº  42,  de  14  de  abril  de  1999,  do  Ministério  do  Orçamento  e  

Gestão,  Portaria  Conjunta  STN/SOF  nº  163,  de  04  de  maio  de  2001,  e  suas  atualizações.  

 

Art.  6º  -  Os  orçamentos  fiscal  e  da  seguridade  social  compreenderão  a  programação  

dos  Poderes  do  Município,  seus  fundos,  órgãos,  autarquias  e  fundações  instituídas  e  mantidas  

pelo  Poder  Público,  bem  como  das  empresas  públicas  e  demais  entidades  em  que  o  Município  

detenha  a  maioria  do  capital  social  com  direito  a  voto  e  que  recebam  recursos  do  Tesouro  

Municipal.  

 

Art.  7º  -  A  Lei  Orçamentária  Anual  poderá  conter  dotações  relativas  a  projetos  a  

serem  desenvolvidos  por  intermédio  de  consórcios  públicos,  conforme  a  regulamentação  

fixada  pela  lei  Federal  nº  11.107,  de  06  de  abril  de  2005  e  Portaria  nº  72  de  01  de  fevereiro  de  

2012.    

 

   

CAPÍTULO  IV  

DAS  DIRETRIZES  GERAIS  PARA  ELABORAÇÃO  DA  LEI  ORÇAMENTÁRIA  ANUAL  E  SUAS  

ALTERAÇÕES  

 

Art.  8º  -  O  Orçamento  do  Município  para  o  exercício  de  2020  será  elaborado  visando  

garantir  a  gestão  fiscal  equilibrada  dos  recursos  públicos  e  a  viabilização  da  capacidade  própria  

de  investimento.  

 

Parágrafo  único.  Os  processos  de  elaboração  e  definição  do  Projeto  de  Lei  

Orçamentária  para  2020  e  sua  respectiva  execução  deverão  ser  realizados  de  modo  a  

evidenciar  a  transparência  da  gestão  fiscal,  inclusive  por  meio  eletrônico,  observando-se  o  

princípio  da  publicidade,  permitindo-se  dessa  forma,  o  acesso  da  sociedade  às  informações  

relativas  a  essas  etapas.  

   

Art.  9º  -  Os  valores  constantes  do  Projeto  de  Lei  Orçamentária  para  2020  expressam  

preços  de  setembro  do  corrente  ano  e  poderão  ser  corrigidos  conforme  variação  do  Índice  

Nacional  de  Preços  ao  Consumidor  Amplo  –  IPCA,  verificado  a  partir  do  supramencionado  mês.  

 

Art.  10  -  O  Projeto  de  Lei  Orçamentária  para  o  exercício  de  2020  alocará  recursos  do  

Tesouro  Municipal  para  outros  custeios,  investimentos,  inversões  financeiras  depois  de  

deduzidos  os  recursos  destinados:  

 

I  –  ao  pagamento  de  despesas  com  pessoal  e  encargos  sociais;  

II  –  ao  pagamento  da  dívida  pública;  

III  –  à  manutenção  e  desenvolvimento  do  ensino,  conforme  art.  212  da  Constituição  

Federal;  

IV  –  ao  pagamento  de  precatórios,  conforme  estabelecido  na  presente  Lei;  

V  –  a  reserva  de  contingência;  

VI    –  ao  financiamento  das  ações  e  dos  serviços  públicos  de  saúde,  conforme  Emenda  

Constitucional  nº  029/2000.  

 

Art.  11  -  Na  programação  da  despesa,  serão  observadas  as  seguintes  restrições:  

 

I  –  nenhuma  despesa  poderá  ser  fixada  sem  que  estejam  definidas  as  respectivas  

fontes  de  recursos;  

II  -  não  serão  destinados  recursos  para  atender  despesas  com  pagamento,  a  qualquer  

título,  a  servidor  da  administração  municipal  direta  ou  indireta,  por  serviços  de  consultoria  ou  

assistência  técnica,  inclusive  custeados  com  recursos  decorrentes  de  convênios,  acordos,  

ajustes  ou  instrumentos  congêneres,  firmados  com  órgãos  ou  entidades  de  direito  público  ou  

privado,  nacionais  ou  internacionais;  

III  -  auxílios  a  entidades  privadas  com  fins  lucrativos;  

IV  -  objetivos  ou  campanhas  estranhas  às  atribuições  legais  do  Poder  Executivo.  

 

Art.  12  -  Na  programação  de  investimentos,  serão  observados  os  seguintes  princípios:  

 

   

I  –  novos  projetos  somente  serão  incluídos  na  lei  orçamentária  depois  de  atendidos  

os  em  andamento,  contempladas  as  despesas  de  conservação  do  patrimônio  público  e  

assegurada  a  contrapartida  de  operações  de  crédito;  

II  –  somente  serão  incluídos,  na  lei  orçamentária,  os  investimentos  para  os  quais  

tenham  sido  previstas,  na  lei  do  Plano  Plurianual  –  PPA  2018/2021  e  suas  alterações,  ações  

que  assegurem  sua  manutenção;  

III  –  os  investimentos  deverão  apresentar  viabilidade  técnica,  econômica,  financeira  

e  ambiental.  

 

Art.  13  -  O  projeto  de  lei  orçamentária  poderá  incluir  programação  condicionada,  

constante  de  propostas  de  alterações  do  Plano  Plurianual  –  PPA  2018/2021,  que  tenham  sido  

objeto  de  projetos  de  lei.  

 

Art.  14  -  A  Reserva  de  Contingência  será  fixada  em  valor  equivalente  a  até  5%  (cinco  

por  cento),  da  Receita  Corrente  Líquida  (art.  5º,  III  da  LRF).  

 

Art.  15  -  O  Chefe  do  Poder  Executivo  é  autorizado  na  Lei  Orçamentária  de  2020  a:  

     

I  -  abrir  créditos  suplementares,  com  a  finalidade  de  atender  as  insuficiências  nas  

dotações  orçamentárias,  até  o  limite  de  50%  (cinquenta  por  cento),  do  total  da  despesa  

atualizada  do  orçamento,  na  forma  permitida  no  art.  43  da  Lei  Federal  4.320/1964,  mediante  

a  utilização  dos  seguintes  recursos:  

 

a)  da  reserva  de  contingência;  

b)  do  excesso  de  arrecadação,  nos  termos  do  art.  43,  §  1º,  inciso  II,  da  Lei  Federal  

4.320/1964;  

c)  da  anulação  de  dotações  orçamentárias;  

d)  do  superávit  financeiro  apurado  no  Balanço  Patrimonial  do  exercício  anterior;  

e)  do  produto  de  operações  de  crédito  internas  e  externas;  

II  –  Abri  créditos  suplementares,  por  anulação  de  dotações  de  despesa  de  capital  para  

cobrir  insuficiência  de  dotações  de  despesa  corrente  até  o  limite  estabelecido  no  inciso  I  deste  

artigo.      

III  -  Abri  créditos  suplementares,  por  anulação  de  dotações  de  despesa  de  corrente  

para  cobrir  insuficiência  de  dotações  de  despesa  capital  até  o  limite  estabelecido  no  inciso  I  

deste  artigo.      

IV  -  Abri  créditos  suplementares,  por  anulação  de  dotações  de  despesa  de  um  órgão  

para  outro  até  o  limite  estabelecido  no  inciso  I  deste  artigo.      

 

Art.  16  -  As  alterações  do  Quadro  de  Detalhamento  de  Despesa  –  QDD,  a  nível  de  

elemento  de  despesa,  observados  os  mesmos  grupo  de  despesa,  categoria  econômica,  

modalidade  de  aplicação,  projeto/atividade/operação  especial  e  unidade  orçamentária,  

poderão  ser  realizadas  para  atender  às  necessidades  de  execução,  mediante  publicação  de  

Portaria  pela  Secretaria  responsável  pela  gestão  de  planejamento  e  orçamento  do  Município.  

 

   

Parágrafo  único.  As  alterações,  para  os  efeitos  do  caput  deste  artigo,  compreendem  

exclusivamente,  a  transferências  de  saldos  orçamentários.  

 

Art.  17  -  A  destinação  de  recursos  do  Município  a  qualquer  título,  para  atender  

necessidades  de  pessoas  físicas  ou  déficits  de  pessoas  jurídicas,  observará  o  disposto  no  art.  

26  da  Lei  Complementar  nº  101/00.  

 

Art.  18  -  A  Lei  Orçamentária  conterá  dispositivo  indicando  que  o  Município  aplicará:  

 

I  –  na  política  de  manutenção,  promoção  e  vigilância  de  saúde,  o  estabelecido  na  

Emenda  Constitucional  nº  29,  de  13  de  setembro  de  2000;  

II    –  na  manutenção  e  no  desenvolvimento  do  ensino  fundamental  e  da  educação  pré-

escolar  o  estabelecido  no  Art.  212  da  Constituição  Federal;  

III  –  nas  despesas  inerentes  à  aplicação  da  Lei  Federal  nº  8.069/90,  o  disposto  no  

Estatuto  da  Criança;  

IV  –  no  Poder  Legislativo,  6%  relativos  ao  somatório  da  receita  tributária  e  das  

o

transferências  previstas  no  §  5  do  art.  153  e  nos  arts.  158  e  159,  arrecadadas  pelo  Município  

no  exercício  imediatamente  anterior.  

 

Art.  19  -  As  subvenções  sociais  destinadas  às  entidades  públicas  e/ou  privadas  

somente  serão  concedidas  desde  que  comprovadamente  preencham  os  requisitos  

estabelecidos  no  art.  12,  §  3º  e  arts.  16  e  17  da  Lei  Federal  nº  4.320,  de  17  de  março  de  1964.  

 

CAPÍTULO  V  

DAS  DIRETRIZES  PARA  EXECUÇÃO  DA  LEI  ORÇAMENTÁRIA  

 

Art.  20  -  No  caso  de  necessidade  de  limitação  de  empenho  das  dotações  

orçamentárias  e  da  movimentação  financeira,  a  serem  efetivadas  nas  hipóteses  previstas  no  

art.  9º  e  no  inciso  II,  §  1º,  do  art.  31,  da  Lei  Complementar  nº  101/00,  essa  limitação  será  

aplicada  aos  Poderes  Executivo  e  Legislativo  de  forma  proporcional  à  participação  de  seus  

orçamentos,  excluídas  as  duplicidades,  na  lei  orçamentária  anual,  no  conjunto  de  “outras  

despesas  correntes”  e  no  de  “investimentos  e  inversões  financeiras”.  

 

Parágrafo  único.  O  repasse  financeiro  a  que  se  refere  o  art.  168,  da  Constituição  

Federal,  fica  incluído  na  limitação  prevista  no  caput  deste  artigo.  

 

Art.  21  -  Fica  autorizado  a  contratação  de  hora-extra  para  pessoal,  quando  se  tratar  

de  relevante  interesse  público  ou  urgência,  nos  termos  do  inciso  V,  parágrafo  único,  do  art.  

22  da  lei  Complementar  nº  101/2000.  

 

Art.  22  -  A  execução  orçamentária,  direcionada  para  a  efetivação  das  metas  fiscais  

estabelecidas  em  anexo,  deverá  ainda,  manter  a  receita  corrente  superavitária  frente  às  

despesas  correntes,  com  a  finalidade  de  comportar  a  capacidade  própria  de  investimento.  

   

CAPÍTULO  VI  

DAS  DISPOSIÇÕES  RELATIVAS  À  DÍVIDA  PÚBLICA  MUNICIPAL  

 

Art.  23  -  Todas  as  despesas  relativas  à  Dívida  Pública  Municipal  constarão  da  Lei  

Orçamentária  Anual.  

 

Parágrafo  único.  Para  fixação  das  despesas  com  serviços  da  dívida,  devem  ser  

consideradas  as  operações  de  crédito  contratadas  e  as  autorizações  concedidas  até  a  data  do  

encaminhamento  do  projeto  de  lei  do  orçamento  à  Câmara  Municipal.  

CAPÍTULO  VII  

DAS  DISPOSIÇÕES  RELATIVAS  ÀS  DESPESAS  COM  PESSOAL  E  ENCARGOS  SOCIAIS  

 

Art.  24  -  Os  Poderes  Executivo  e  Legislativo  terão  como  limites  na  elaboração  de  suas  

propostas  orçamentárias  para  pessoal  e  encargos  sociais,  observados  os  arts.  19,  20  e  71,  da  

Lei  Complementar  n.º  101/00,  a  média  mensal  das  despesas  das  folhas  de  pagamentos  de  

2019,  projetada  para  o  exercício  de  2020,  considerando  os  eventuais  acréscimos  legais,  

inclusive  alterações  de  planos  de  carreira  e  admissões  para  preenchimento  de  cargos.  

 

Art.  25  -  A  concessão  de  qualquer  vantagem  ou  aumento  de  remuneração,  inclusive  

reajustes,  a  criação  de  cargos,  empregos  e  funções  ou  alteração  de  estrutura  de  carreiras,  bem  

como  a  admissão  ou  contratação  de  pessoal,  a  qualquer  título,  pelos  Poderes  Executivo  e  

Legislativo,  inclusive  concurso  público  de  provas  ou  de  provas  e  títulos,  somente  será  admitida  

se,  cumulativamente:  

 

I  –  existirem  cargos  a  preencher;  

II  –  houver  prévia  dotação  orçamentária  suficiente  para  atender  às  projeções  de  

despesas  de  pessoal  e  aos  acréscimos  dela  decorrentes;  

III  –  observados  os  limites  estabelecidos  nos  Arts.  19  e  20,  da  Lei  Complementar  

101/00.  

 

CAPÍTULO  VIII  

DAS  DISPOSIÇÕES  RELATIVAS  AOS  PRECATÓRIOS  JUDICIAIS  

 

Art.  26  -  As  despesas  com  o  pagamento  de  precatórios  judiciários  da  administração  

municipal  correrão  à  conta  de  dotações  consignadas  no  orçamento  com  esta  finalidade  

obedecendo  ao  que  determina  o  art.  100  da  Constituição  Federal.  

 

§  1º  -  Os  precatórios  judiciários  apresentados  até  1º  de  julho,  deverão  ser  remetidos  

à  Secretaria  Municipal  da  Fazenda  para  inclusão  no  Orçamento,  através  de  relação  

especificando:  

 

I  –  número  do  processo  judicial;  

II  –  número  do  precatório;    

   

III    –  data  da  expedição  do  precatório;  

IV  -  data  de  recebimento  da  comunicação  do  Tribunal  determinando  a  inclusão  do  

precatório  no  orçamento  respectivo;  

V  –  nome  do  beneficiário;  

VI  –  valor  do  precatório  a  ser  pago.  

§  2º  -  Os  recursos  com  destinação  prevista  neste  artigo  serão  alocados  na  

Procuradoria  Geral  do  Município.  

 

CAPÍTULO  IX  

DAS  DISPOSIÇÕES  SOBRE  ALTERAÇÕES  NA  LEGISLAÇÃO  TRIBUTÁRIA  

 

Art.  27  -  A  concessão  ou  ampliação  de  incentivos,  de  isenção  ou  benefícios  de  

natureza  tributária  ou  financeira,  deverá  obedecer  ao  disposto  no  Art.  14  da  Lei  

Complementar  nº  101/00.  

 

Art.  28  -  Na  estimativa  das  receitas  constantes  do  projeto  de  lei  orçamentária,  

poderão  ser  considerados  os  efeitos  das  propostas  de  alterações  na  legislação  tributária.  

 

§  1º  -  As  alterações  na  legislação  tributária  municipal,  dispondo,  especialmente,  

sobre  IPTU,  ISS,  ITBI,  Taxas  e  Contribuições,  deverão  constituir  objeto  de  projetos  de  lei  a  

serem  enviados  à  Câmara  Municipal,  visando  promover  a  justiça  fiscal  e  contribuir  para  a  

elevação  da  capacidade  de  investimento  do  Município.  

 

§  2º  -  As  alterações  na  legislação  tributária  terão  os  seguintes  objetivos:  

 

I  –  combater  a  sonegação,  a  elisão  e  a  evasão  fiscal;  

II  –  combater  as  iniciativas  de  favorecimento  fiscal;  

III  –  incorporar  o  uso  de  tecnologias  modernas  da  informação  como  instrumento  

fiscal;  

IV  –  adequar  as  bases  de  cálculo  do  tributo  à  real  capacidade  contributiva  e  à  

promoção  da  justiça  fiscal;  

V  –  simplificar  o  cumprimento  das  obrigações  tributárias  dos  contribuintes;  

VI  –  adequar  a  legislação  municipal  à  legislação  complementar  federal.  

 

CAPÍTULO  X  

DOS  ANEXOS  DAS  METAS  FISCAIS  

 

Art.  29  -  Em  cumprimento  ao  estabelecido  no  art.  4º  da  Lei  Complementar  nº  101/00,  

as  metas  fiscais  de  receitas,  despesas,  resultado  primário,  resultado  nominal  e  montante  da  

dívida  pública  para  o  exercício  de  2020,  estão  identificados  nos  demonstrativos  de  Portaria  

específica  da  Secretaria  do  Tesouro  Nacional.  

 

Art.  30  -  Os  Anexos  de  Metas  Fiscais  referidos  no  artigo  anterior  constitui-se  dos  

seguintes:  

I  –  Metas  Anuais;    

   

II  –  Avaliação  do  Cumprimento  das  Metas  Fiscais  do  Exercício  Anterior;  

III  –  Metas  Fiscais  Atuais  Comparadas  com  as  Metas  Fiscais  Fixadas  nos  03  (Três)  

Exercícios  Anteriores;  

IV  –  Evolução  do  Patrimônio  Líquido;  

V  –  Origem  e  Aplicação  dos  Recursos  Obtidos  com  a  Alienação  de  Ativos;  

VI  –  Receitas  e  Despesas  Previdenciárias  do  RPPS;  

VII  –  Estimativa  e  Compensação  da  Renúncia  de  Receita;  

VIII  –  Margem  de  Expansão  das  Despesas  Obrigatórias  de  Caráter  Continuado;  

IX  –  Demonstrativo  de  Riscos  Fiscais  e  Providências.  

 

CAPÍTULO  XI  

DAS  DISPOSIÇÕES  FINAIS  

 

Art.  31  -  O  Poder  Executivo  disponibilizará  a  qualquer  do  cidadão,  as  programações  

contidas  no  Plano  Plurianual  –  PPA  2018/2021,  na  Lei  de  Diretrizes  Orçamentárias  –  LDO  2020  

e  na  Lei  Orçamentária  Anual  –  LOA  2020.  

 

Art.  32  -  As  emendas  ao  Projeto  de  Lei  Orçamentária  de  2020  ou  aos  projetos  que  o  

modifiquem,  observarão  os  princípios  constantes  do  §  3º  do  art.  166  da  Constituição  Federal  

e  da  Lei  Orgânica  do  Município.    

 

Art.  33  -  No  prazo  de  30  (trinta)  dias  após  a  publicação  da  Lei  Orçamentária  Anual  –  

o  Poder  Executivo  divulgará  o  Quadro  de  Detalhamento  de  Despesas  –  QDD  para  o  exercício  

de  2020,  por  unidade  orçamentária,  especificando  para  cada  categoria  de  programação,  a  

natureza  de  despesa  por  categoria  econômica,  grupo  de  despesa,  modalidade  de  aplicação,  

elemento  de  despesa  e  fonte  de  recursos.  

 

Art.  34  -  São  vedados  quaisquer  procedimentos  que  impliquem  na  execução  de  

despesas  sem  comprovada  e  suficiente  disponibilidade  de  dotação  orçamentária  e  sem  

adequação  com  as  cotas  financeiras  de  desembolso.  

 

Art.  35  -  Caso  o  projeto  de  lei  orçamentária  de  2020  não  seja  sancionado  até  31  de  

dezembro  de  2019,  a  programação  dele  constante  poderá  ser  executada  em  cada  mês,  até  o  

limite  de  1/12  (um  doze  avos)  do  total  de  cada  dotação,  na  forma  da  proposta  remetida  à  

Câmara  Municipal,  enquanto  a  respectiva  lei  não  for  sancionada.  

 

§  1º  -  Considerar-se-á  antecipação  de  crédito  à  conta  da  lei  orçamentária  a  utilização  

dos  recursos  autorizada  neste  artigo.  

 

§  2º  -  Eventuais  saldos  negativos,  apurados  em  conseqüência  de  emendas  

apresentadas  ao  projeto  de  lei  na  Câmara  Municipal  e  do  procedimento  previsto  neste  artigo,  

serão  ajustados  após  a  sanção  da  lei  orçamentária  anual,  através  da  abertura  de  créditos  

adicionais.  

 

   

§  3º  -  Não  se  incluem  no  limite  previsto  no  caput  deste  artigo,  podendo  ser  

movimentadas  sem  restrições,  as  dotações  para  atender  despesas  com:  

I  -  pessoal  e  encargos  sociais;  

II  -  benefícios  previdenciários;  

III  -  serviço  da  dívida;  

IV  -  pagamento  de  compromissos  correntes  nas  áreas  de  saúde,  educação  e  

assistência  social;  

V  -  categorias  de  programação  cujos  recursos  sejam  provenientes  de  operações  de  

crédito  ou  de  transferências  da  União  e  do  Estado;  

VI  -  categorias  de  programação  cujos  recursos  correspondam  à  contrapartida  do  

Município  em  relação  aos  recursos  previstos  no  inciso  anterior;  

VII    –  conclusão  de  obras  iniciadas  em  exercícios  anteriores  a  2019  e  cujo  cronograma  

físico,  estabelecido  em  instrumento  contratual,  não  se  estenda  além  do  1º  semestre  de  2020;  

VIII  –  pagamento  de  contratos  que  versem  sobre  serviços  de  natureza  continuada.  

 

Art.  36  -  Os  créditos  especiais  e  extraordinários  autorizados  nos  últimos  04  (quatro)  

meses  do  exercício  financeiro  de  2019  poderão  ser  reabertos,  no  limite  de  seus  saldos,  os  

quais  serão  incorporados  ao  orçamento  do  exercício  financeiro  de  2020  conforme  o  disposto  

no  §  2º,  do  art.  167,  da  Constituição  Federal.  

 

Art.  37  -  O  saldo  das  dotações  empenhadas  referente  às  despesas  não  realizadas  será  

anulado  e  as  despesas  anuladas  poderão  ser  reempenhadas,  até  o  montante  dos  saldo  

anulados,  à  conta  da  dotação  do  exercício  seguinte,  observada  a  classificação  orçamentária.  

 

Parágrafo  único.    Para  fins  do  disposto  neste  artigo,  consideram-se  realizadas  as  

despesas  em  que  a  contraprestação  em  bens,  serviços  ou  obras  tenha  efetivamente  ocorrido  

no  exercício  e  que  sejam  devidamente  amparadas  por  títulos  e  documentos  comprobatórios  

do  respectivo  crédito,  conforme  estabelecido  no  artigo  63,  da  lei  nº  4.320,  de  17  de  março  de  

1964.  

 

Art.  38  -  Com  vista  ao  cumprimento  das  metas  fiscais,  no  prazo  de  30  (trinta)  dias  a  

contar  da  data  da  publicação  da  Lei  Orçamentária  Anual  para  2020,  o  Poder  Executivo  

publicará  Decreto  da  Programação  Financeira,  estabelecendo  os  limites  mensais  de  despesas  

e  desembolso  financeiro  por  órgão  e  por  categoria  de  despesa,  discriminado  em  anexos.  

§  1º  -  O  desembolso  mensal  estabelecido  na  Programação  Financeira  será  

determinado  pela  previsão  de  arrecadação  da  receita  para  2020,  que  terá  como  base  à  média  

mensal  da  arrecadação  nos  últimos  04  (quatro)  anos  e/ou  outro  condicionante  de  natureza  

econômico-financeiro  que  recomende  sua  reestimativa  para  valores  inferiores  ao  previsto  na  

Lei  Orçamentária  Anual.  

 

§  2º  -  Caso  a  receita  mensal  prevista  não  se  realize,  cabe  ao  Poder  Executivo  proceder  

à  limitação  de  empenho,  conforme  disposto  no  art.  9º  da  Lei  Complementar  nº  101/00.  

 

Art.  39  -  Serão  consideradas  legais  as  despesas  com  multas  e  juros  pelo  eventual  

atraso  no  pagamento  de  compromissos  assumidos,  motivados  por  insuficiência  de  tesouraria.    

   

 

Art.  40  -  Cabe  à  Secretaria  responsável  pela  gestão  de  planejamento  e  orçamento  do  

Município  a  coordenação  e  o  estabelecimento  de  normas  operacionais  complementares  ao  

processo  de  elaboração  do  Orçamento  Municipal.  

 

Art.  41  -  Esta  Lei  entra  em  vigor  na  data  de  sua  publicação.  

 

Araguaína,  Estado  do  Tocantins,  aos  12  dias  do  mês  de  dezembro  de  2019.  

 

RONALDO  DIMAS  NOGUEIRA  PEREIRA  

Prefeito  de  Araguaina